sábado, 12 de junho de 2010

Mundial 2010

foto; Sérgio Santimano da série, "terra incógnita - Niassa 2001/2005


África sabe jogar futebol
Por Henning Mankell *

A mais estranha bola de futebol que eu já vi foi uma velha bota de um soldado, recheada com papel, areia e trapos. De alguma forma, os jogadores conseguiram fazer da bota, não uma bola redonda, mas pelo menos oval. Isso foi em meados da década de 1980, num jogo de futebol em Boane, uma vila fora de Maputo, a capital de Moçambique. O campo de jogo era um terreno adjacente a uma área na qual ninguém se atrevia a andar, muito menos jogar. O motivo? Estava cheio de minas.
Moçambique estava sendo dilacerado por uma guerra civil horrível. De um lado, havia a Frelimo legítima (Frente de Libertação de Moçambique), no outro, a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), o exército rebelde quase fantasmagórico criado pelas forças de segurança rodesianas. Quando me lembro desse período, é do horror de que me lembro. Dirigindo-me para casa à noite, depois de ensaiar no Teatro Avenida, em Maputo, onde eu ainda passo metade de cada ano, eu podia ver partes da península da Catembe em chamas. Então eu sabia que os bandidos armados, que constituíam a Renamo, atacaram uma aldeia e mataram sem piedade aqueles que não conseguem escapar.
No meio disto, o futebol era jogado. O jogo foi utilizado como conforto numa época de grande miséria. Aqueles que estavam jogando eram meninos pobres, sem sapatos e com roupas esfarrapadas. O jogo que jogavam era marcado por uma energia furiosa. E o facto de eles serem forçados a jogar em campos pobres e desiguais deu-lhes boas habilidades técnicas, embora a sua capacidade de funcionar como uma equipe fosse pouco impressionante. Os meninos não levavam a sério o jogo, eles jogavam para se divertir. Mas de alguma maneira, ele também foi um protesto contra o inferno sangrento que os rodeava.
Passam 25 anos desde que eu vi aqueles rapazes na manipulação da bota velha de forma brilhante. E agora que a o “FT em profundidade - World Cup 2010” Copa do Mundo será disputada no continente Africano, pela primeira vez, a apenas um par de horas de carro de Boane e Maputo. Se eu tivesse dito aos meninos o que ia acontecer, eles teriam pensado que eu era um deus ou o idiota da aldeia.
Nessa altura a África do Sul era um pária. Ninguém queria nada com ele. E com razão. Apenas uma pequena quantidade de intercâmbio internacional ocorreu no tocante ao desporto. A África do Sul foi uma desgraça.
Então, a história mudou, e muito mais rápido do que qualquer um esperaria. Um dia, Nelson Mandela deixou Robben Island, não apenas como um homem livre, mas também como um vencedor. O apartheid foi esmagado.
Naturalmente, a FIFA não escolheu a África do Sul para a fase da Copa do Mundo, simplesmente por causa de Mandela. Mas ele ainda é considerado como uma espécie de garantia simbólica de que sua nação e o continente Africano serão capazes de acelerar o desafio. E eles vão. Disso eu tenho certeza.
Houve problemas na preparação para a Copa do Mundo. Houve um problema organização de segurança, e tem havido alguns escândalos com projectos de construção e infra-estruturas, a maioria deles envolvendo corrupção. No entanto, a coisa mais importante é que ela terá lugar, e que é possível.
O que significa que a Copa do Mundo dos sul-africanos e de outros cidadãos africanos é um orgulho. Durante as Copas anteriores tocando países distantes e seguida na rádio e na TV, os africanos não deixavam de se alegrar com os sucessos do continente. Houve uma alegria incrível quando os Camarões tiveram um bom desempenho em 1990. Posso também lembrar a felicidade em Maputo, quando a equipe brasileira venceu em 1994. As pessoas dançavam em torno dos seus carros, soando suas buzinas, como se a vitória fosse de Moçambique. O facto de os dois países partilharem a mesma língua, o Português, foi suficientemente bom para justificar a satisfação pela vitória do Brasil.
Outro grande momento foi quando Angola se classificou para a Copa do Mundo 2006 na Alemanha. Eles haviam sido colocados no mesmo grupo que Portugal, os seus opressores coloniais. Viajei para Colónia para ver o jogo, que Portugal venceu por 1-0. Mas o facto de uma das ex-colónias ter conseguido se classificar para a Copa do Mundo foi uma vitória em si. Uma desvantagem histórica tinha sido demolida.
Muitas pessoas perguntam se é possível caracterizar o jogo africano da mesma forma que, por exemplo, caracterizam o futebol sul-americano. A resposta é não.
O continente africano é grande. Há países, como a Nigéria, que geograficamente, bem como demograficamente, cobririam grande parte da Europa. E esse é o erro mais comum que fazemos, considerar África como uma unidade. O seu futebol tem tantas variações como a Europa.
Se há algo especial sobre o futebol africano, pode ser expresso de forma hesitante com duas afirmações: uma delas é que é importante ser capaz de “brincar”, como as crianças em África. A outra é que as tácticas permanecem uma fraqueza.
Será fascinante ver se nesta Copa do Mundo, a jogarem em casa, terá qualquer efeito sobre a maneira como as nações africanas vão jogar como equipes -, até agora, a sua ruína em torneios internacionais. Ninguém realmente acredita que uma equipe africana será capaz de chegar à final. Mas se isso não acontecer este ano, acontecerá em breve, em outro lugar.
De vez em quando vou assistir um jogo de futebol na cidade de Maputo. O que é notável é que nunca o clima entre os torcedores parece agressivo. Eu nunca vi uma luta entre fãs. O clima no estádio é marcado por alegria e barulho incrível, é quase como estar num carnaval. Tambores, cornetas e apitos, assobios, dançando, pulando, gritando e suspirando. Parece-me que a seriedade do jogo nunca foi capaz de dominar as partes mais divertidas. Isso, creio eu, é a maior dádiva de África para o futebol internacional até agora.
E com a ajuda de África, poderíamos ser capazes de recuperar o lúdico do futebol, que hoje é eclipsada por jogadores pagos principescamente, as expectativas tácticas e a seriedade mortal que torna o jogo mais virtual e muito menos vivo.
A minha maior esperança é que esta Copa do Mundo signifique reportagens mais equilibradas sobre África. Habituámo-nos a histórias sobre como os africanos estão sofrendo e morrendo, mas muito raramente temos uma visão de como eles vivem.
Esta Copa do Mundo dará uma outra imagem de África, que nos permita vê-la como ela realmente é - o lado bom e o mau - mas, sobretudo, como um continente cujos cidadãos se estão aproximando do futuro da mesma forma que o resto de nós. E que jogam futebol com grande entusiasmo. Às vezes com virtuosismo. Mas sempre com muito orgulho.
* Publicado no Financial Times. Henning Mankell é autor de “O Homem de Pequim” (Harvill Secker) e o romance ‘Wallander “.
Mais informações sobre o seu teatro em África, em www.henningmankell.com

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial