sábado, 13 de outubro de 2007

Probabilidade de forte abstenção


As eleições multipartidárias de 2004 foram marcadas por uma elevada abstenção (apenas votaram 43% dos potenciais eleitores).

Mas foram, também, marcadas por profundas irregularidades.

Agora, com a novidade de um recenseamento digital, num processo claramente comandado pela improvização, sem preparo atempado, muitos computadores estão avariados e outros nem sequer chegaram ainda aos postos.

Talvez estejam recenseados apenas 6% dos eleitores passadas mais de duas semanas de recenseamento. Gente houve que quis votar e não pôde ou que desistiu ao fim de muitas horas de espera. Esta gente servirá como caixa de ressonância desmotivadora na rádio rua do nosso país.

E esta caixa de ressonância (que guarda, ainda, a memória dos problemas, dos desânimos das eleições anteriores), essa bola não de neve, mas savaneira de chuva e calor, agirá não contra a Comissão Nacional de Eleições ou contra o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral em si, mas contra o Estado em geral, contra algo que será considerado desorganizado e chato.

Em 2008 teremos as eleições. Depois seguir-se-ão mais eleições, as autárquicas, as legislativas e as presidenciais. Um enfarte eleitoral num país marcado por um outro tipo de enfarte: o dos slogans.

Em livro de 1998 - tantos anos passados, vejam lá - analisei muitas das causas da forte abstenção então verificada. Falei, nessa altura, de eleitorado incapturável. Creio que as eleições que vão suceder-se em 2008 e 2009 serão ritmadas por um eleitorado fortemente incapturável. Por um potencial cansaço de promessas e de slogans. Mas sustentar isto tem apenas a novidade de o não ser.

Critiquem-me se estiver errado.

Carlos Serra

1 Comentários:

Anonymous susana disse...

Oi sérgio
è só para ver se está operacional susana

13 de outubro de 2007 às 14:51  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial